Os princípios verdadeiros podem ser bem diferentes dos nossos ...

Os princípios verdadeiros pelos quais devemos viver podem ser bem divergentes dos que cremos, podendo ser sofismas inventados pelos homens: sombras da verdade ou fragmentos dela.
A identidade do homem é construída por meio de certos contextos sociais, culturais e históricos, porém o Eterno está no contexto da humanidade absolutamente. Quando atinamos com isso, passamos da morte para a vida.
Nesta página poderemos refletir e argumentar, para descobrirmos se estamos vivendo a VERDADE, essa que é absoluta e que não depende de quaisquer pontos de vista.







"Não deixe portas entreabertas. Escancare-as ou bata-as de vez. Pelos vãos, brechas e fendas passam apenas semiventos, meias verdades e muita insensatez."
Cecília Meireles

Vivemos eternamente adquirindo convicções novas e num eterno trabalho de reeducação de nós mesmos.
Mário de Andrade

terça-feira, 1 de março de 2011

Prefácio do livro Cristianismo Pagão? de Frank Viola e George Barna


Por que vocês violam o mandamento de Deus por amor à sua tradição?  disse, Jesus Cristo.

Quando o Senhor Jesus andou nesta terra, seus principais opositores vieram das duas principais
facções religiosas daquele tempo: Os fariseus e os saduceus.
A facção farisaica aumentava as sagradas Escrituras. Eles agregavam à Palavra de Deus um punhado de
leis humanas e as passavam para as gerações subseqüentes. Este conjunto de costumes consagrados, muitos  deles chamados de “tradições dos anciãos”, passaram a ser considerados iguais às Escrituras Sagradas.
O erro dos Saduceus estava no outro extremo. Eles subtraíam blocos inteiros das Escrituras —
considerando apenas a Lei de Moisés como digna de ser observada. (Os saduceus negavam a existência  dos espíritos, anjos, alma, vida após a morte e a ressurreição).
O efeito imediato foi que quando o Senhor Jesus entrou no drama da história humana, Sua autoridade foi
arduamente desafiada.  A razão era simples. Ele não se enquadrava nos moldes religiosos de nenhum dos
dois campos. Jesus era visto com suspeita tanto pelos fariseus como pelos saduceus. Não demorou muito
para que esta suspeita se transformasse em hostilidade. Logo os fariseus e os saduceus começaram a planejar  a morte do Filho de Deus!
Vivemos um tempo em que a história se repete. A moderna cristandade caiu nos mesmos erros dos
fariseus e dos saduceus.
Na tradição dos saduceus, a grande maioria das práticas do século I já havia sido retirada da paisagem
cristã. Meu livro, Repensando o Odre, revela algumas das práticas esquecidas que caracterizavam a vida da igreja no século I.
Mas o cristianismo moderno também é culpado de cometer o erro dos fariseus. Ou seja, o cristianismo
moderno agregou um monte de tradições humanamente concebidas que acabaram suprimindo a direção
funcional, real e vivificante de Jesus Cristo enquanto Cabeça de Sua Igreja.
Dessa forma, tanto os fariseus como os saduceus nos ensinaram uma lição muitas vezes esquecida: É tão
nocivo diluir a autoridade da Palavra de Deus por adição como por supressão.
Violamos as Escrituras tanto ao enterrá-las sob uma montanha de tradição humana, como ao ignorar seus princípios.
Este livro dedica-se a expor as tradições adotadas com relação a Deus e Sua Igreja. Ao fazê-lo produz
uma séria conclusão: A igreja institucional moderna não tem qualquer direito bíblico nem histórico para
continuar existindo!
Isto não é obra para pesquisadores. Tão pouco é uma obra completa. Uma abordagem exaustiva das
origens de nossas práticas na igreja moderna encheria volumes e mais volumes e seria lido por poucas
pessoas. Embora este livro seja de apenas um volume, traz consigo uma grande quantidade da história em
um pequeno espaço. De fato, pode-se dizer corretamente que o que está contido nestas páginas é o resumo de toda uma biblioteca!
Este livro não tem a pretensão de trazer luz a todos os recantos da história. Pretende sim focalizar a
origem das práticas centrais que definem a principal corrente do cristianismo de hoje.
É de vital importância a compreensão das raízes das práticas de nossa igreja moderna. Espero que cada
cristão alfabetizado leia esta obra.Por conseguinte, preferi não empregar uma linguagem técnica, mas
escrever em um português simples. Assim, agreguei notas ao pé da página contendo detalhes adicionais e
fontes ao longo de cada capítulo. (Eu quero que meus leitores saibam que eu não estou assoprando bolhas de sabão nem construindo castelos de areia!)
Os cristãos reflexivos que desejam verificar minhas declarações e alcançar uma compreensão mais
profunda dos temas abordados devem ler as notas ao pé da página. Os que não se preocupam com tais coisas devem ignorá-las.
Finalmente, este livro complementa meu primeiro livro Repensando o Odre: A Prática do NT. Ambos os
livros mostram os dois lados da mesma moeda. O Odre demonstra de uma forma cabal que aqueles que
abandonaram o aprisco do cristianismo institucional têm o direito bíblico de existir. O livro que você tem em suas mãos mostra a outra face da moeda, eles têm também o direito histórico de existir.
Frank Viola
Brandon, Flórida.
Dezembro de 2002.

Título original em inglês: Pagan Christianity
The Origins of Our Modern Church Practices
Copyright © 2005 by Present Testimony Ministry
Published by
Present Testimony Ministry
Esta versão em português foi traduzida e adaptada por Railton de Sousa Guedes

3 comentários:

  1. Li e gostei muito. Dá pra refletir bastante...
    Um abraço
    Sidoaka

    ResponderExcluir
  2. Muito legal seu blog e otimo, e muito criativo, se depois vocês quiser olhar o meu blog e dar a sua opnião eu ficarei muito grato: http://derlandreflexivo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Sidoaka, boa tarde,

    Mais uma vez obrigada pelo carinho dispensado à Patty - nunca terei palavras suficientes para lhe dizer o quanto eu sou grata a vc - Merci de tout mon coeur. bisous da amiga Eliana

    ResponderExcluir